A evolução dos códigos de barras

Do código de barras ao QR CODE – os quadrados mais modernos.

Desde que surgiu, há 35 anos (a serem comemorados no dia 7 de outubro), o código de barras mudou a vida de varejistas e consumidores. Esse antigo conhecido foi o ponto de partida para outros sistemas de decodificação de dados como o RFID e o QR code.

Mobilidade e automatização de entrada de dados, com certeza, sempre foram a grande vantagem do código de barras tradicional. Desde o pagamento de contas até a automação de pontos de venda, ele é muito utilizado e de relativa facilidade de manutenção.

A grande desvantagem é, sem dúvidas, a necessidade de um leitor apropriado e a limitação na entrada de dados, devido ao padrão unidimensional e seqüencial do modelo. Cada caractere equivale a uma sequência de barras com diferentes larguras e espaçamentos. Quanto maior a mensagem inserida no código, maior será sua largura, o que obviamente limita muito seu uso.

Criado em 1994 pela empresa japonesa Denso-Wave, o QR Code (Quick Response Code) é um código bi-dimensional (2D) que pode ser lido diretamente por uma câmera de celular (mesmo com imagens de baixa resolução, feitas por câmeras digitais em formato VGA) e interpretado pelos programas desenvolvidos pelo fabricante. Armazena aproximadamente sete mil letras e quatro mil números, contra os apenas 20 caracteres do código de barras.

O código já pode ser visto apoiando a comunicação escrita tradicional, em placas, banners, selos de informações em produtos, mobiliário urbano, periódicos, enfim… o legal é que suas aplicações, ao contrário do código de barras tradicional, que se limita apenas aos produtos no PVD, são infinitas, permitindo a colocação de URL’s, vídeos, dados que vão direto para a agenda do celular, além de vantagens como reduzir a quantidade de informação e, conseqüentemente, uma possível poluição visual em layouts.

Hoje, o QR code já possui similares como o Beetagg, o Datamatix e o mais recente lançamento da Microsoft, o Microsoft tag. O princípio de todos é basicamente o mesmo. As diferenças ficam por conta do formato, da capacidade de armazenamento e do programa de decodificação.

Para ter o leitor do código em seu celular acesse www.reader.kaywa.com.

Não fique por fora de mais essa novidade do mundo digital!

Abaixo, uma tabela com algumas características de cada um dos códigos:

 

qr code

qr code

• Capacidade: até 5000 bytes• Tipos de Impressão: Inkjet, Laser ou Termo Transferência

• Aplicação em papel ou plástico

 

datamatrix

datamatrix

• Capacidade: até 3000 bytes• Tipos de Impressão: Ink-jet, Laser ou Pin Stamping

• Resistente ao Calor, Umidade e Impacto

• Leitura em Superfícies Irregulares ou Curvas e com baixo contraste

• Aplicação direta no Produto: metal, vidro, plástico, cerâmica, etc

 

maxicode

maxicode

• Baixa capacidade (300 bytes)• Tipos de Impressão: Inkjet, Laser ou Pin Stamping

• Leitura Rápida e a Longas distâncias

 

pdf417

pdf417

• Capacidade: até 1000 bytes• Tipos de Impressão: Inkjet, Laser ou Termo Transferência

• Aplicação em papel ou plástico

• Desenvolvido há 12 anos

 

beetagg

beetagg

• Capacidade: entre 3000 e 5000 bytes• Permite personalização, com colocação do logo (mais indicado para empresas)

 

microsoft tag

microsoft tag

• Possui o dobro da capacidade de espaço do QR code, dentro do mesmo espaço• As cores são um diferencial
About these ads

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: